Técnicas revolucionarias de cultivo

Foram desenvolvidas através de pesquisas práticas, variedades resistentes ás doenças, fazendo com que a nogueira atinja altos índices de produção, priorizando a qualidade do fruto. Estes cultivares conseguem formar ciclos diferentes de produção, diversificando em super precoces, precoces e normal, que intercalam a colheita e dispõem de segurança na produção. 

Com estas condições, foram desenvolvidas as quatro variedades que melhor se adaptaram às exigências climáticas da região e não demandaram o uso contínuo de agrotóxicos para a manutenção: Melhorada (Pitol 1), Importada (Pitol 2), Barton e Imperial. 

Com isso, iniciaram-se os trabalhos para a produção das mudas. Dividem-se por etapas e todas tem que ser elaboradas de acordo e sequencialmente para que no final, o resultado seja perfeito.

•Em primeiro lugar, seleciona-se o porta enxerto que é plantado e permanece aproximadamente um ano e meio na terra. Depois deste período, inicia-se o processo de enxertia, o passo mais importante deste processo, pois é onde se caracteriza geneticamente a sua produção através de materiais colhidos de matrizes com alto índice de produtividade (estas matrizes são encontradas somente na propriedade, e passam por um acompanhamento contínuo). 

•Após este processo a muda permanece aproximadamente mais um ano e meio no viveiro, para tomar forma e tamanho, assim quando for levada a campo, ou seja, transplantada, esteja na altura adequada, em torno de um metro e oitenta cm, oferecendo praticidade ao produtor, caso ele queira consorciar com outra cultura, além de facilitar o manejo com invasoras, como por exemplo, formigas.